fbpx

A mulher que não pode esquecer

Nossa atividade mental é alimentada por três fontes de informação:

 

• A sensorial – vinda dos olhos, dos ouvidos, do tato e do olfato – representa o presente, o instante em que vivemos.

 

• Dispomos de nossas #memórias, que representam o passado ou o que sobrou dele.

 

• Finalmente, contamos com nossas fantasias e outros produtos da #imaginação, que contribuem com expectativas sobre o futuro.

 

De maneira simplista, podemos descrever nossa atividade mental como um bolo, repreparado a cada instante a partir desses três ingredientes.

 

Em muitas pessoas, o equilíbrio entre as três vertentes temporais está alterado – são as que deliram, contaminadas pelas fantasias, que reaprendem a cada instante, por terem perdido a memória, ou que estão isoladas do mundo real, por não terem acesso aos dados sensoriais do presente.

 

Jill Price, um dia paciente analisada, se tornou autora do livro que conta sua trajetória como o primeiro caso diagnosticado de uma condição de memória chamada síndrome #hipertimésica – a lembrança contínua, automática e autobiográfica de todos os dias de sua vida desde os quatorze anos (julho de 1974).

 

A Memória Perfeita

 

Dê a ela qualquer data daquele ano em diante, e ela pode quase instantaneamente dizer em que dia da semana era, o que ela fez naquele dia e qualquer grande evento mundial ou acontecimento cultural que aconteceu, desde que ela tenha ouvido falar sobre isso aquele dia.

 

Lembra tudo que fez naquele dia, com quem conversou e que roupa usava.

 

Mas a #memória de #JillPrice é fraca para eventos não autobiográficos e sua vida escolar nunca foi fácil.

 

O peso de rememorar fatos e a dificuldade de esquecer experiências traumáticas é enorme.

 

O mais interessante no livro é como as memórias perfeitas da infância dificultaram seu amadurecimento #psicológico. Frases da mãe, ditas na infância, atormentaram sua vida mental por anos.

 

O peso enorme do passado dificultou o processo de se lançar em novos projetos de vida, ousar ou correr riscos.

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *