Como a empatia ou a falta dela, age no cérebro

😳 Um rapaz que atuava há um ano e seis meses como coordenador de serviços em uma empresa, fez vídeos, onde se dizia responsável pela seleção de um colega de trabalho.

 

😑 Ele também se filmou excluindo alguns currículos recebidos no email, afirmando que a quantidade era muito grande.

 

🙄 Nos vídeos, ele expõe os nomes de candidatos e critica a experiência profissional deles. Em outra postagem, ele aparece jogando os currículos para o alto, dizendo que vai fazer um sorteio.

 

Horas depois, as publicações foram excluídas.

 

✅Em uma outra notícia, um outro rapaz, encontrou um monte de currículos no lixo e saiu na caçada para entregá-los em empresas que estavam contratando.

 

“Não são apenas #currículos, são vidas! Vamos ter mais respeito por quem está na luta em busca de emprego”, afirmou em suas redes sociais.

 

👉 O que somos atualmente é o resultado de uma infinidade de processos evolutivos acumulados. A empatia facilitou nossa evolução social e cultural.

 

Muitos estudos têm argumentado de forma independente que o sistema de neurônios-espelho está envolvido em emoções e relações empáticas. Isso quer dizer que, quando vemos uma determinada emoção expressada pela pessoa, ativamos esses neurônios que ‘simulam’ como se nós mesmos estivéssemos vivendo aquele sentimento.

 

A #empatia pode ser desenvolvida a partir de estímulos recebidos desde à #infância.

 

🔴 Mas, ela pode falhar dependendo da situação. É o que acontece com pessoas de partidos políticos e times de futebol rivais, gerando violência verbal e física.

 

Foram descobertas alterações em regiões do cérebro que diminuem a empatia em pessoas com transtornos do espectro #autista ou pessoas egoístas, narcisistas, até psicopatas e aqueles que infringem a lei ou são corruptos.

 

Estudos de ressonância magnética descobriram que essas pessoas, quando olham para rostos humanos com expressão de sentimentos, têm menos conexões entre os neurônios do córtex pré-frontal ventromedial com #neurônios da amígdala cerebral.

Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.