fbpx

As redes sociais mudaram o nosso cérebro.

A mídia social está literalmente remodelando nossas vidas. Mais do que isso, está alterando a química do nosso cérebro.

Sabemos que usar a mídia social pode ser viciante, pois dá uma recompensa instantânea por um clique.

Isso afeta sua capacidade de se concentrar: Estudos descobriram que, ao comparar usuários de mídia pesada com outros, eles têm um desempenho muito pior durante os testes de troca de tarefas. O aumento da multitarefa online reduz a capacidade de seu cérebro de filtrar interferências e pode até mesmo tornar mais difícil para seu cérebro registrar informações na memória. Seu cérebro não consegue se concentrar o suficiente nas tarefas primárias e isso leva a atrasos no trabalho.

É como uma droga: então, o que é um vício? Quando você prioriza coisas de menor importância em vez de tarefas que têm mais importância, isso é considerado um vício. Da mesma forma, a mídia social abriu seu caminho em nosso dia a dia. Você se encontrará em situações em que prioriza a rolagem de postagens em sites de mídia social em vez de algo que tenha mais valor. É como uma droga, não é?

Está mudando a forma como interagimos: você não fará vista grossa ao fato de que criou desculpas para evitar interações sociais. A mídia social nos transformou em zumbis. Evitamos conversas cara a cara com as pessoas porque isso instilou ansiedade social nas pessoas. Na verdade, estudos sobre relacionamentos descobriram que os parceiros tendem a gostar mais um do outro ao se encontrarem pela primeira vez online, em vez de em uma interação face a face.

Tudo, quando feito em abundância, é ruim e as mídias sociais têm sua própria maneira de brincar com nossos cérebros.

#neuromarketing #neurociencia #neuroscience #neuropsicologia

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *