fbpx

O que os vilões da Disney podem nos ensinar sobre psicologia das cores?

O que nos faz enxergar um personagem como bom ou mau?

O design do personagem provavelmente tem muito a ver com isso!

Pense em como a cor é usada quando se fala de personagem: se alguém é mau, é um “chapéu preto”. Se alguém tem ciúme, fica “verde de inveja”.

Quando você evoca a imagem de um vilão em sua mente, ele provavelmente não está usando rosa, certo?

Muitos de nós crescemos com personagens da Disney. Esses personagens informam nosso entendimento sobre o que constitui a imagem de um “herói” e o que constitui a imagem de um “vilão”. Desse modo, definitivamente, existem algumas conexões entre as cores em seus personagens e suas personalidades.

Alguns exemplos:

O roxo é frequentemente associado a poder, nobreza, luxo e ambição. Essas características certamente se refletem em personagens como Malévola de A Bela Adormecida, Dr. Facilier de A Princesa e o Sapo, e a Rainha Má de Branca de Neve e os Sete Anões. Todos são personagens que buscam poder de alguma forma.

O azul é esmagadoramente uma cor heróica. A cor certamente se encaixa no projeto, com características como confiança, lealdade, segurança e estabilidade muitas vezes atribuídas a ela.

Existem alguns personagens inegavelmente bons na categoria azul. Personagens como Judy Hopps de Zootopia, James P. “Sully” Sullivan de Monsters, Inc. e Cinderela. Mas também existem alguns personagens vilões que se tornaram heróicos, como Elsa de Frozen ou Stitch de Lilo e Stitch.

O vermelho é mais comumente apresentado em designs de personagens que são vilões. Mas quando você considera que o vermelho é frequentemente associado a determinação e paixão, você pode ver como essas podem ser qualidades heróicas e vilãs.

#neuromarketing #neurociência #neuropsicologia #disney #psicologiadascores

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *