fbpx

Por que a praia nos deixa felizes?

A #neurociência está conseguindo mostrar que, quando estamos em contato com o mar, ativamos o córtex pré frontal de nosso #cérebro, área diretamente associada com as emoções e a autorreflexão. Poucos minutos que passamos apenas observando o mar e sua imensidão podem fazer a diferença em nossas vidas. O #mar expande em nossos cérebros a capacidade de autoconsciência e de bem-estar emocional.

Já no século XVIII, médicos, costumavam prescrever a seus pacientes uma viagem ao mar para seguir uma terapia de banhos. Até mesmo hospitais completamente destinados a realizar essas práticas foram montados, e hoje podemos dizer que estavam no caminho certo, já que se descobriu que o efeito do mar sobre os seres humanos é transformador. Especialistas afirmam que o ruído emitido pelo mar reduz os nossos níveis de #cortisol, o hormônio do estresse, e transmite calma. O ruído nos lembra o som dos batimentos cardíacos de nossas mães quando estávamos no #útero, o que teria um impacto emocional relacionado à proteção e segurança.

Em florestas densas, animais perigosos podem se esconder entre as árvores; nas cidades, nos preocupamos com os criminosos. Mas na praia, não há lugar para uma ameaça se esconder. Somos construídos, neurologicamente, para normalizar nosso ambiente – para trazê-lo sob nosso controle. Quando olhamos para o mar, ou estamos ao longo da praia, estamos em um ambiente previsível e estável. Alguns elementos visuais se destacam: um barco ao longe, uma gaivota na praia. Mas qualquer coisa que ocorra contra esse fundo é facilmente registrado e facilmente interpretado. Como resultado, o barco ou pássaro produz uma sensação “especial e brilhante” em vez de medo. Essa previsibilidade calmante envolve todos os sentidos – da estabilidade do som ao cheiro de sal no ar.

O que você achou?

Onde você mora há #litoral?

Você aproveita esses benefícios?

Ou qual foi aquela #viagem inesquecível à praia que você já fez?

Compartilha com a gente 🙂

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *